Português (Brasil)

Combate à Dengue em Condomínio

Combate à Dengue em Condomínio

Como combater e quais os locais necessitam de atenção para que o Aedes aegypti não se desenvolva.

Compartilhe este conteúdo:

da redação

Independentemente da época do ano, existe um mau que rodeia condomínios por todo o país, o mosquito da dengue. 

 

 

Sim, o verão é a época em que existe maior transmissão, devido aos fatores climáticos favoráveis à proliferação do mosquito Aedes aegypti como o clima quente e úmido, mas isso não é desculpa para nos descuidarmos nas outras estações.

O que é a dengue?

Segundo a Biblioteca Virtual em Saúde do MINISTÉRIO DA SAÚDE:

Dengue é uma doença infecciosa febril aguda, que pode se apresentar de forma benigna ou grave, dependendo de alguns fatores, entre eles: o vírus envolvido, infecção anterior pelo vírus da dengue e fatores individuais como doenças crônicas (diabetes, asma brônquica, anemia falciforme).

Quais os sintomas?

O doente pode apresentar sintomas como febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, náuseas ou até mesmo não apresentar qualquer sintoma. O aparecimento de manchas vermelhas na pele, sangramentos (nariz, gengivas), dor abdominal intensa e contínua e vômitos persistentes podem indicar um sinal de alarme para dengue hemorrágica, um quadro grave que necessita de imediata atenção médica, pois pode ser fatal.

É importante procurar orientação médica ao surgirem os primeiros sintomas, pois as manifestações iniciais podem ser confundidas com outras doenças, como febre amarela, malária ou leptospirose e não servem para indicar o grau de gravidade da doença.

Como se transmite?

A doença é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti. Não há transmissão pelo contato direto com um doente ou suas secreções, nem por meio de fontes de água ou alimento.

Como tratar?

Todas as pessoas com febre de menos de sete dias ou por casos suspeitos de dengue, cuja evolução não é possível predizer, devem procurar tratamento médico onde algumas rotinas estão estabelecidas para o acompanhamento, conforme a avaliação clínica inicial e subseqüente, quanto a possibilidade de evolução para gravidade. A hidratação oral (com água, soro caseiro, água de coco), ou venosa, dependendo da fase da doença, é a medicação fundamental e está indicada em todos os casos em abundância. Não devem ser usados medicamentos à base de ácido acetil salicílico e antiinflamatórios, como aspirina e AAS, pois podem aumentar o risco de hemorragias.

A dengue em condomínios

O tamanho do seu condomínio é  o tamanho do seu desafio em relação à dengue. Quanto maior o empreendimento, maiores são as chances de criadouros do mosquito.

Mas essa não precisa ser uma luta solitária, pelo contrário, a nossa dica é que você, gestor, mobilize os próprios moradores para ações de prevenção ao mosquito, espalhando cartazes pelo condomínio, reunindo moradores para ações de conscientização e principalmente, eliminando os possíveis focos pelo condomínio. Essa pode ser uma ótima maneira de conscientizar essa população e incentivar boas práticas dentro das unidades também.

Quais são as práticas?

  • Observe se há acúmulos de água da chuva: Limpe as calhas e elimine poças d’água;

  • Dedetização: Havendo sinais de foco do mosquito, você precisa acionar uma empresa de dedetização para realizar um fumacê e em seguida, solicitar à prefeitura uma visita de fiscais para constatar a eliminação dos focos;

  • Tampe caixas e reservatórios;

  • Confira o fosso do elevador;

  • Verifique se está realizando o tratamento correto da piscina;

  • Plantas com pratos devem conter terra na base para evitar acúmulo de água;

Para as unidades os cuidados são:

  • Inspecione os vasos de plantas, em janelas ou varandas, com pratos que possam acumular água;

  • Importante manter os vasos sanitários sempre fechados, principalmente aqueles pouco utilizados;

  • Esvaziar as bandejas de ar condicionado para não acumulem água;

  • Verifique sempre as bandejas da geladeira e filtro d’água;

  • Olhe também o trilho do box do banheiro que também retém água;

  • Mantenha os ralos e lixeiras tampados e sempre limpos. Além disso, verifique se a coleta de lixo está em dia. Evite também entulho acumulado.

Prevenir é sempre o melhor remédio. Não podemos esquecer que casos mais graves da doença podem levar à morte então, comece hoje mesmo uma campanha de conscientização dentro do seu condomínio, você como gestor, tem essa importante missão para cumprir.

Autor

Rafael Alves

Compartilhe este conteúdo: