Português (Brasil)

Diferentes desafios: condomínio vertical x condomínio horizontal

Diferentes desafios: condomínio vertical x condomínio horizontal

Condomínio-vertical-horizontal. Diferenças e desafios para o síndico em cada modelo

Matéria

Casas, prédios, horizontal, vertical, edilícios, lotes e sobrados. Em algum momento você já deve ter ouvido um ou mais destes termos na hora de definir o local onde você mora ou ainda o local onde você trabalha enquanto síndico.

Não existe um consenso quanto a definição destes termos. Para um leigo, vertical é associado a condomínios de prédios, enquanto horizontal a condomínios de casas. Já para especialistas da construção civil, a definição se dá pela estrutura que separa uma unidade da outra, no caso do condomínio de casas, essas são separadas por paredes verticais, portanto, um condomínio vertical; em um prédio, as unidades são separadas por paredes na horizontal (teto/piso) então, condomínios horizontais.

Confuso? Um pouco, mas vamos seguir com o que é de costume no campo judicial: condomínio de prédios é vertical e condomínio de casas é horizontal.

 

Então, quais as principais diferenças na hora de administrar um condomínio vertical de um horizontal?

Independente do modelo, é importante reforçar que você, síndico, deve seguir exatamente as regras estabelecidas na Legislação e em sua convenção. Mas, de fato, existem algumas particularidades em cada formato que requerem diferentes formas de atuação.

 

Segurança

Investimento em segurança é um fator comum a todo tipo de condomínio. Entre um modelo vertical e horizontal a diferença se dá pelo perímetro, pois em edifícios o espaço costuma ser menor e com um número reduzido de pontos de acesso quando comparado ao condomínio de casas. Um exemplo dessas diferenças é a necessidade de vigias para rondas noturnas no caso dos condomínios horizontais.

 

Comunicação

Num edifício, existem pontos em comum a todos os moradores que podem ser ótimas estruturas para comunicação como elevadores, acesso ao estacionamento e áreas de laser, como piscina, por exemplo. Já no modelo horizontal, a comunicação se dá principalmente pelo uso de tecnologias, como grupos de mensagens e aplicativos.

 

Manutenção

A manutenção de áreas comuns de um condomínio horizontal é diferente da de um vertical em dois pontos: custo e tempo. Normalmente, um condomínio vertical possui mais áreas de uso coletivo como: piscinas, salão de festas, playground, etc. Todos esses espaços demandam mais tempo e mão de obra para sua manutenção, o que gera mais custos ao condomínio. Já num modelo horizontal, é comum que cada unidade (casa) tenha sua própria área de lazer, retirando essa demanda do condomínio. Claro que existem áreas de uso coletivo como as ruas e a área verde, mas em comparação a estrutura de um edifício, a demanda para o síndico é menor.

 

Circulação

A circulação de moradores, entregas, e visitantes costuma ser maior em edifícios do que em condomínios de casas, principalmente se levarmos em consideração os grandes centros urbanos. Edifícios, normalmente, possuem mais unidades e, consequentemente, mais moradores, ou seja, mais pessoas para você síndico administrar.

 

Independentemente do modelo, tenha jogo de cintura, se adapte ao formato pelo qual você é responsável, entenda cada demanda e o perfil de seus moradores, invista em melhorias das áreas comuns ainda que menores no caso do modelo horizontal e em segurança.

 

Resumo feito manualmente

Podemos considerar um condomínio horizontal aquele formado por casas e o vertical aquele com um ou mais prédios. Suas estruturas são diferentes e portanto a demanda em cada um deles também. Independente do modelo, se adapte, invista em segurança e na melhoria de áreas comuns, entenda a melhor forma de se comunicar com os moradores, tenha jogo de cintura!

Autor

Rafael Alves